Mulher Maravilha – crítica

O longa bateu recordes de bilheteria e atraiu os olhares de toda a crítica, por que será?

Crítica sem spoilers

A DC trouxe em 2016 trailers que revelavam demais, errou no tom de um, na coerência de outro e em 2017 a expectativa já não era mais tão alta para seus filmes. Foi nesse contexto que Mulher Maravilha chegou sem trailers reveladores e com o tom acertado em cheio.

A história começou do começo, se me permitem dizer. Entre as amazonas está Diana, filha da rainha amazona. Nascida como um pedido de sua mãe à Zeus, a menina torna-se a primeira criança amazona em séculos. Como tão poderosa, acaba destruindo a barreira que protege sua ilha contra o inimigo de seu povo: o deus Ares. No contexto da 2ª Guerra Mundial, a chegada inesperada de um soldado das forças aliadas na ilha desperta o interesse da princesa para sair ao encontro de seu rival e enfrentá-lo de vez.

O filme foi separado entre cenas do presente e no passado. É ambientado em sua maioria no passado, durante a 2ª Guerra Mundial. A simplicidade da narrativa teria sido perfeita se não tivesse dado margem a uma incoerência. Com poucas informações e sem ter os dois lados da guerra explorados, a heroína já foi capaz de escolher lutar pelos aliados contra um inimigo que nem era o maior líder. A ingenuidade da protagonista soou divertida a princípio, mas não poderia se estender tanto.

A diretora Patty Jenkins e Gal Gardot, que interpreta a protagonista, foram escolhas decisivas para um aval positivo do filme. A primeira construiu uma Mulher Maravilha tal qual os quadrinhos, que primava o amor e a justiça ao invés do poderio físico, que também possuía. A segunda deu vida à personagem de forma natural.

Já os efeitos especiais deixaram a desejar, principalmente na cena da luta entre os deuses, que foi salvo pelo desenvolvimento da trama paralela. A supervalorização da ação, no final, acabou deixando algumas incoerências. O inimigo conhecia mais o poder e a história da Mulher Maravilha do que ela mesma. Ela chegou totalmente despreparada para a luta contra um deus que nunca fora derrotado antes.

Algumas questões foram deixadas para um possível próximo filme da heroína. Enquanto isso, temos um final que deu um gostinho para o próximo filme em que ela aparecerá: Liga da Justiça.

Eu dou 4 estrelas para esse filme.

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fonte das fotos: IMDB.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s